Estudos clínicos

Programas de exercícios domiciliares, tais como os que se criam com a Physitrack®,
mostraram aumentar a adesão dos pacientes.
Abaixo, referimos vários estudos que confirmam isto.

Pode uma ferramenta de prescrição de exercício em linha melhorar a adesão a programas de exercício em casa em crianças com paralisia cerebral e outras deficiências do desenvolvimento neurológico? Um Ensaio clínico randomizado

Objetivo Determinar a adesão e a eficácia de um programa de exercício em casa de 8 semanas para crianças com deficiência, aplicado através da Physitrack, uma ferramenta de prescrição de exercício online, em comparação com os métodos tradicionais em papel.

Design:  Ensaio clínico randomizado controlado (RCT) com design de simples mascaramento, grupos paralelos.

Contexto A intervenção foi realizada nas casas dos participantes na Austrália Ocidental.

Participantes Crianças com idades entre os 6 e os 17 anos, com deficiências de neurodesenvolvimento, incluindo paralisia cerebral (PC), que recebem serviços de terapia comunitária.

Intervenção Todos os participantes concluíram um programa individualizado de exercício em casa, que foi aplicado ao grupo de intervenção através do site Physitrack e por métodos convencionais em papel para o grupo de controle.

Medidas de resultado primárias Adesão ao programa de exercício, cumprimento dos objetivos e desempenho do exercício.

Medidas de desfecho secundário Satisfação, confiança e usabilidade da Physitrack.

Resultados Foram recrutados 54 participantes com PC (n=37) ou outras deficiências do neurodesenvolvimento (n=17). Cinquenta e três foram aleatorizados após uma desistência precoce. Quarenta e seis completaram o programa de 8 semanas, 24 no grupo de intervenção e 22 no grupo de controle. Não houve diferença entre os dois grupos quanto à percentagem de exercícios completados (intervenção (n=22): 62,8% (DP 27,7), controle (n=22): 55,8% (DP 19,4), diferença média entre grupos -7,0% (IC 95%: -21,6 a 7,5, p=0,34)). Ambos os grupos mostraram uma melhoria significativa no desempenho auto-avaliado das atividades com objetivos individualizados, no entanto, não houve diferença estatisticamente significativa entre os grupos no que diz respeito ao cumprimento dos objetivos, à qualidade do desempenho do exercício, ao prazer, à confiança ou ao método preferido de execução. Não se registraram eventos adversos.

Conclusão O site Physitrack proporciona ao terapeuta um novo meio de fornecer um programa de exercício com ferramentas online, tais como vídeos de exercício, mas os nossos resultados preliminares indicam que pode não ser melhor do que um método tradicional baseado em papel para melhorar a adesão ao exercício ou os outros resultados medidos. Os programas de exercício continuam a ser uma intervenção apoiada por evidências, mas é necessário um ensaio clínico randomizado de maior dimensão para avaliar completamente os métodos de entrega online.

Dados de registro do ensaio Registro de Ensaios Clínicos da Austrália e Nova Zelândia; ACTRN12616000743460.

http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/

Johnson RW, Williams SA, Gucciardi DF, et al. Can an online exercise prescription tool improve adherence to home exercise programmes in children with cerebral palsy and other neurodevelopmental disabilities? Um ensaio aleatório controlado. BMJ Open 2020;10:e040108. doi: 10.1136/bmjopen-2020-040108
Relatório de investigação
Leia mais (abre numa nova janela)

Oportunidades para Telessaúde e Fisioterapia: O que revela uma nova pesquisa com pacientes

A Fisioterapia do Bay State, principal provedor de cuidados de Fisioterapia no Nordeste dos EUA, utilizou a Telessaúde Physitrack (PTT) e sistemas de envolvimento de pacientes para se manterem conectados ao seu paciente durante a pandemia global de Covid-19 - com grande sucesso.

Em poucos dias, a Physitrack conseguiu que todos os profissionais de BSPT se cadastrassem e recebessem a formação sobre a utilização do serviço de Telessaúde. Em meados de Março, o BSPT era 100% virtual - utilizando a tecnologia premiada da Physitrack e os seus aplicativos para pacientes.

Bay State Physical Therapy e Departamento de Fisioterapia, Ciências do Movimento e Reabilitação da Northeastern University 2020
Artigo científico
Leia mais (abre numa nova janela)

Artigo científico: Telessaúde por fisioterapeutas na Austrália durante a pandemia da COVID-19

O trabalho de pesquisa foi desenvolvido com a contribuição de médicos, especialistas em telessaúde, proprietários de empresas e órgãos de financiamento para avaliar a eficácia e o valor do tratamento fisioterapêutico realizado por meio de telessaúde durante a pandemia COVID-19.

O projeto focou nos seguintes objetivos:
- as características dos fisioterapeutas que implementaram Telessaúde serviços
- a natureza dos serviços
- os tipos de pacientes que utilizaram Telessaúde nos serviços de fisioterapia
- os tipos de condições que foram tratadas e a sua gestão
- os resultados e experiências dos pacientes
- características da consulta

Esta informação será utilizada para defender o
financiamento contínuo dos serviços de Telessaúde por fisioterapeutas. It
é uma pesquisa transversal online com aprovação ética
obtido através da Universidade de Melbourne.

Fundação de pesquisa em Fisioterapia da APA
Artigo científico
Leia mais (abre numa nova janela)

Efetividade da fisioterapia com telereabilitação em pacientes cirúrgicos: revisão sistemática e metanálise

Introdução: Ao longo dos últimos anos, os serviços de telereabilitação desenvolveram-se rapidamente, e pacientes valorizam benefícios como a redução das barreiras de viagem, horas flexíveis de exercício, e a possibilidade de integrar melhor as competências na vida quotidiana. No entanto, os efeitos da fisioterapia com tele reabilitação nos resultados funcionais pós-operatórios, em comparação com os cuidados habituais em populações cirúrgicas, ainda são inconclusivos.

Objetivos: Estudar a eficácia da fisioterapia com Telereabilitação nos resultados funcionais pós-operatórios e na qualidade de vida em pacientes cirúrgicos.

Fontes de dados: Estudos relevantes foram obtidos na MEDLINE, EMBASE, CINAHL, Biblioteca Cochrane, PEDro, Google Scholar e na Plataforma Internacional de Registro de Ensaios Clínicos da Organização Mundial de Saúde.

Seleção do estudo: Foram incluídos ensaios controlados randomizados, ensaios clínicos controlados, estudos quase-randomizados e estudos quase-experimentares com grupo controle, sem restrições em termos de língua ou data de publicação.

Extração e síntese de dados: A qualidade metodológica foi avaliada utilizando a ferramenta Cochrane de risco de enviesamento. Vinte e três registros foram incluídos para síntese qualitativa. Sete estudos foram elegíveis para síntese quantitativa sobre qualidade de vida, e a diferença média padronizada global foi de 1,01 (intervalo de confiança de 95% de 0,18 a 1,84), indicando um aumento a favor da Telereabilitação em cirurgia pacientes.

Limitações: A variedade de conteúdos de intervenção e de medidas de resultados restringiu a realização de uma meta-análise sobre todas as medidas de desfechos clínicos.

Conclusões: A fisioterapia com telereabilitação tem o potencial de aumentar a qualidade de vida, é viável, e é pelo menos igualmente eficaz como os cuidados habituais nas populações cirúrgicas. Isto pode ser razão suficiente para escolher a fisioterapia com telereabilitação para populações cirúrgicas, embora a eficácia global nos resultados físicos permaneça pouco clara. Número de registro PROSPERO: CRD42015017744.

Palavras-chave: Exercício; Estado funcional; Fisioterapia; Cirurgia; Telessaúde; Telemedicina; Telereabilitação.

Copyright © 2018 Chartered Society of Physiotherapy. Publicado por Elsevier Ltd. Todos os direitos reservados.

Maarten A van Egmond, Raoul H H Engelbert, Jean H G Klinkenbijl, Mark I van Berge Henegouwen, Marike van der Schaaf # 1 2
PubMed
Leia mais (abre numa nova janela)

Comparação dos resultados da fisioterapia virtual com a presencial

Ascenti, um fornecedor de fisioterapia do Reino Unido, analisou dados de mais de 27 000 pacientes que receberam tratamento virtual ou presencial através de um aplicativo. Eles compararam os resultados de dor, satisfação e ativação de três métodos: apenas virtual, apenas presencial e ambos.

Verificaram que o tratamento virtual era tão ou mais eficaz do que o tratamento presencial, e também mais conveniente, acessível e econômico. Eles concluíram que a fisioterapia digital deve ser uma parte significativa do método de tratamento pós Covid-19.


Ascenti 2020
Artigo científico
Leia mais (abre numa nova janela)

Um programa de treino progressivo de resistência visando força e potência é viável em pessoas com dores patelofemorais

Objetivos:

Avaliar a viabilidade de um programa de 12 semanas de treino progressivo de resistência para pessoas com dor patelofemoral (PFP) visando a força e a potência muscular proximal; e os desfechos clínicos e de capacidade muscular resultantes.

Principais desfechos:

Os resultados de viabilidade incluíram elegibilidade, taxa de recrutamento, aderência à intervenção e desistência. Os resultados secundários incluíram recuperação percebida, função física (AKPS e KOOS-PF), pior dor (VAS-cm), cinesiofobia (Tampa), atividade física (IPAQ), e força do quadril (isométrica e 10 repetições no máximo) e potência.

Resultados:

Onze pessoas, de 36 que responderam aos anúncios, iniciaram o programa. Um participante retirou-se. Dez participantes que completaram o programa reportaram melhorias (3 completamente recuperados; 6 marcados; e 1 moderado). AKPS mais elevado (tamanho do efeito [ES] = 1,81), KOOS-PF melhorado (ES = 1,37), e dor reduzida (ES = 3,36) ocorreram juntamente com o aumento da força dinâmica de abdução e extensão do quadril (ES = 2,22 e 1,92, respectivamente) e potência (ES = 0,78 e 0,77, respectivamente). A força isométrica melhorou para abdução do quadril (ES = 0,99), mas não para extensão do quadril.

Conclusão

Um programa de 12 semanas de treino progressivo de resistência visando a força e potência muscular proximal é viável e associado a melhorias moderadamente significativas na dor, função, e capacidade muscular do quadril em pessoas com Síndrome da dor patelofemoral. São necessárias mais investigações para avaliar a eficácia do treino progressivo de resistência.

Christian J. Barton, Danilo de Oliveira Silva, Brooke E. Patterson, Kay M. Crossley, Tania Pizzari, Guilherme S. Nunes
Leia mais (abre numa nova janela)

PaTIO: Intervenção Terapeutica com estratégia de tratamento por metas após cirurgia ortopédica; um estudo de custo-efetividade

Introdução:

A fisioterapia é uma estratégia de tratamento comprovadamente eficaz após a artroplastia total do joelho e de quadril (TKA/THA), no entanto, existe uma considerável variação em consultório no que diz respeito as fases, tipos e duração. Este estudo visa comparar a eficácia (custo) de uma estratégia de fisioterapia pós-operatória padronizada, de tratamento ao alvo, com os cuidados pós-operatórios habituais.

Métodos

Utilizando um desenho de estudo randomizado de cluster, pacientes consecutivamenente agendados para uma Artroplastia total de joelho e de quadril primária em 18 hospitais nos Países Baixos será atribuído à estratégia de fisioterapia de tratamento ao alvo ou aos cuidados pós-operatórios habituais. Com a estratégia "treat-to-target", estratégia de tratamento baseado em metas, um programa de exercícios padronizados, individualmente adaptados, visou alcançar marcos funcionais específicos. As avaliações são feitas na linha de base, 6 semanas e 3, 6, 9 e 12 meses de follow up. O resultado primário será o Knee injury / Hip disability and Osteoarthritis Outcome Score - Physical Function Short Form (KOOS-PS / HOOS-PS) em 3 meses de follow up. Os resultados secundários são a escala de classificação numérica para a dor, os resultados Oxford Knee e Hip Scores, o teste baseado no desempenho e o EuroQol 5D-5L para qualidade de vida. A utilização dos cuidados de saúde, produtividade e satisfação com os cuidados pós-operatórios são medidos por meio de questionários. No total, serão necessários 624 pacientes dos quais 312 TKA e 312 THA pacientes.

Discussão

O estudo fornecerá provas relativas custo-efetividade do tratamento fisioterapêutico pós-operatório com estratégia de tratamento baseado em metas, em comparação com os cuidados pós-operatórios habituais. Os resultados deste estudo irão abordar uma importante lacuna de provas e terão um impacto significativo na prática diária do fisioterapeuta.

Registro do ensaio

Registrado no Registro de Julgamento holandês a 15 de Abril de 2018. Número de registro: NTR7129.

Groot, Gademan, Peter, Van den Hout, Verburg, Vliet Vlieland, Reijman e em nome do grupo de estudo PaTIO.
Pubmed
Leia mais (abre numa nova janela)

Será que um sistema de programação de exercício baseado na Web melhora a adesão ao exercício em casa para pessoas com doenças músculo-esqueléticas? Um ensaio clínico randomizado

Objetivo

O objetivo deste ECR foi investigar se a adição de um sistema baseado na Web, Physitrack, aos cuidados habituais de fisioterapia melhora os níveis de adesão dos pacientes aos exercícios em casa, em comparação com os métodos habituais não baseados na Web que os fisioterapeutas utilizam para ministrar programas de exercício a pessoas com doenças músculo-esqueléticas.

Métodos

Pacientes que procuravam cuidados de fisioterapia em consultórios privados foram aleatorizados em grupos de intervenção (exercício em casa prescrito utilizando a Physitrack) e de controle (exercício em casa prescrito pelos métodos habituais do terapeuta). Os resultados primários e secundários de interesse foram a autoavaliação da adesão ao exercício, a satisfação com a realização do exercício e a confiança na capacidade de realizar o exercício prescrito.

Resultados

Foram incluídos 305 participantes. O grupo de intervenção relatou uma maior adesão ao exercício e confiança no exercício em comparação com os controles. Não houve diferença entre os grupos no que respeita à satisfação.

Conclusões

A utilização de um sistema baseado na Internet para criar programas de exercício aumentou a adesão e a confiança sentida no exercício em casa, mas a relevância clínica dos resultados tem de ser confirmada.

Bennell KL, Marshall CJ, Dobson F, Kasza J, Lonsdale C, Hinman RS. Does a Web-Based Exercise Programming System Improve Home Exercise Adherence for People With Musculoskeletal Conditions? A Randomized Controlled Trial. Am J Phys Med Rehabil. 2019 Oct;98(10):850-858. doi: 10.1097/PHM.0000000000001204
Relatório de investigação
Leia mais (abre numa nova janela)

Implementação de um programa de prescrição de exercício de Fisioterapia musculoesquelética baseado na Internet e num smartphone

O hospital St George atende uma população de 1,3 milhão de pacientes no sudoeste de Londres. Para ajudar a equipe a gerenciar um número cada vez maior de casos, o St George embarcou em um estudo para analisar o nível de adesão aos programas de exercícios com uma ferramenta digital de prescrição versus programas baseados em papel.

Verificaram que a adesão ao exercício era melhor para pacientes utilizando as plataformas digitais em comparação com a prescrição com versão em papel.

Ver o poster apresentado aqui: https://www.dropbox.com/s/lztj7mzl9hughqm/Physiouk%20poster%202017%203.pdf?dl=0

Wanless B. Implementação de um programa de prescrição de exercícios baseado na web e em smartphones em Fisioterapia MSK. Fisioterapia 2017;103(1):E21. doi: 10.1016/j.physio.2017.11.177
Leia mais (abre numa nova janela)

Implementando um programa de prescrição de exercícios com base na Web e para aplicativos móveis na Fracture Clinic no St Thomas 'Hospital

Com mais de 2 milhões de contatos de pacientes a cada ano, a GSTT é uma das relações de confiança mais movimentadas do NHS no Reino Unido. A Fracture Clinic consolidou a adesão aos programas de exercício dos pacientes e a satisfação da equipe com o uso da Physitrack no tratamento de rupturas do tendão de Aquiles, luxações anteriores da articulação glenoumeral, fraturas de tornozelo Weber A e fraturas distais do rádio.

Ver o poster apresentado aqui: https://www.dropbox.com/s/5osrnuq8jhe1tdx/Physitrack%20Poster%20JG.pdf?dl=0

Jack Grodon, Fisioterapeuta Especialista sênior em MSK
Leia mais (abre numa nova janela)

Universidade Charles Sturt

Um estudo em parceria com a NSW Ambulance para investigar os efeitos de diferentes tipos de treinamento físico em uma série de desfechos cardiovasculares metabólicos e musculoesqueléticos em paramédicos regionais e rurais.

Leia mais (abre numa nova janela)

Ability Centre

Um estudo controlado randomizado para avaliar a eficácia do fornecimento de um programa de exercícios domiciliares para crianças em idade escolar com deficiência (paralisia cerebral) usando a Physitrack.

Leia mais (abre numa nova janela)

FASHIoN

Este estudo se concentra no fornecimento de intervenções remotas de fisioterapia e de nutricionistas para medir o custo-efetividade e os resultados de intervenções remotas de saúde para pacientes com condições crônicas. A Physitrack é usada para fornecer as intervenções do exercício e o conteúdo educacional aos participantes, rastrear a adesão às intervenções do exercício e realizar videochamadas com os pacientes.

Murphy, Eyles, Bennell et al.
Artigo em PDF
Leia mais (abre numa nova janela)

Uma intervenção multicomponente para diminuir o tempo sedentarismo durante a hospitalização: um estudo piloto quase experimental

Objetivo

O objetivo deste estudo foi avaliar a viabilidade e quais os efeitos preliminares de uma intervenção multicomponente para diminuir o tempo de sedentarismo durante e logo após o internamento.

Design

Este é um estudo piloto quase-experimental que compara os resultados em pacientes admitidos antes e depois da implementação da intervenção.

Definição

O estudo foi realizado num hospital universitário.

Temas

Os participantes eram pacientes adultos submetidos a transplante eletivo de órgãos ou a cirurgia vascular.

Intervenções

Na fase de controle, pacientes receberam cuidados habituais, enquanto na fase de intervenção, pacientes receberam também uma intervenção multicomponente para diminuir o tempo de sedentarismo. A intervenção incluiu oito elementos: informação em papel e digital, um filme de exercícios, um planejador de atividades, um pedômetro e Fitbit Flex™, um treinador de atividade pessoal e um programa de treino digital individualizado fornecido através da Physitrack™.

Medidas

As medidas de viabilidade foram a utilização auto-relatada dos componentes da intervenção (sim/não) e a satisfação (baixo-alto = 0-10). O principal resultado foi a mediana da percentagem de tempo sedentário medida por um acelerômetro usado durante a hospitalização e 7-14 dias depois.

Resultados

Foi incluído um total de 42 controles (idade média = 59 anos, 62% homens) e 52 intervenções com pacientes (58 anos, 52%). O vídeo de exercício, a informação em papel e o Fitbit Flex foram os três componentes utilizados com maior frequência, com as pontuações de satisfação mais elevadas para o fitbit, a informação em papel, o vídeo de exercício e o treino digital. A mediana do tempo sedentário diminuiu de 99,6% para 95,7% e de 99,3% para 91,0% entre os dias 1 e 6 em pacientes admitidos nas fases de controle e intervenção, respectivamente. A diferença no Dia 6 atingiu significância estatística (diferença = 41 min/dia, P = 0,01). Não se registraram diferenças após a alta.

Conclusão

A implementação de uma intervenção multicomponente para reduzir o tempo de sedentarismo parece viável e pode ser eficaz durante, mas não diretamente após, a hospitalização.

Conijn D, van Bodegom-Vos L, Volker W, et al. A multicomponent intervention to decrease sedentary time during hospitalization: a quasi-experimental pilot study. Clinical Rehabilitation. 2020;34(7):901-915. doi:10.1177/0269215520920662
Relatório de investigação
Leia mais (abre numa nova janela)

GAP4

INTRODUÇÃO: As evidências preliminares apoiam o papel benéfico da atividade física nos resultados do câncer de próstata. Este ensaio clínico randomizado controlado (ECR) fase III foi concebido para determinar se o exercício supervisionado de alta intensidade aeróbica e de resistência aumenta a sobrevivência global (OS) em pacientes com câncer de próstata resistente à castração metastásica (mCRPC).

MÉTODOS E ANÁLISE: Os participantes (n=866) devem ter o câncer de próstata metastásico histologicamente documentado com evidência de doença progressiva em terapia de privação de androgénio (definida como mCRPC). Os pacientes podem ser tratados para mCRPC ou em terapia de primeira linha com receptor de androgénio para mCRPC (ou seja, abiraterona ou enzalutamida) sem evidência de progressão ao aderir, e sem quimioterapia prévia para mCRPC. Os pacientes receberão apoio psicossocial e serão alocados aleatoriamente (1:1) quer a exercício supervisionado (treino aeróbico de alta intensidade e de resistência) quer a exercício auto-direcionado (fornecimento de diretrizes), estratificado pelo estado e local de tratamento. As prescrições de exercício serão adaptadas à aptidão e morbidade de cada participante. O ponto final primário é o OS. Os parâmetros secundários incluem tempo para a progressão da doença, ocorrência de um evento relacionado com o esqueleto ou progressão da dor, e grau de dor, uso de opiáceos, qualidade de vida física e emocional, e alterações nos biomarcadores metabólicos. Será feita uma avaliação para determinar se a função imunológica, inflamação, desregulação do metabolismo da insulina e energia, e se os biomarcadores andrógenos estão associados ao SO, e se medeiam a associação primária entre o exercício e o SO será também investigada. Este estudo estabelecerá também um biobanco para futura descoberta ou validação de biomarcadores.

ÉTICA E DISSEMINAÇÃO: A validação do exercício como tratamento médico e os seus mecanismos de ação criarão evidências para mudar a prática clínica. Consequentemente, os resultados deste ECR serão publicados em revistas internacionais, revistas por pares, e apresentados em conferências nacionais e internacionais. A aprovação ética foi obtida pela primeira vez na Universidade Edith Cowan (ID: 13236 NEWTON), com mais 10 sites de investigadores desde que receberam a aprovação ética, antes da ativação.

NÚMERO DE REGISTRO DO ENSAIO: NCT02730338.

Dimensões
Leia mais (abre numa nova janela)

HIPARTI

Por meio de uma colaboração global, o HIPARTI tem como objetivo determinar a eficácia da cirurgia artroscópica do quadril em comparação com uma cirurgia simulada (apenas artroscopia de diagnóstico) para pacientes com achados sintomáticos e radiológicos relacionados ao impacto (FAI) e / ou rupturas labrais, usando um delineamento controlado e randomizado. A Physitrack é usada para fornecer programas de exercícios padronizados e coletar dados de resultados para análise.

Leia mais (abre numa nova janela)

PhysioFIRST

O PhysioFIRST é avaliador e participante de um estudo randomizado, cego, que compara a eficácia de duas intervenções de fisioterapia para dor no quadril (IFA) em adultos com idades entre 18 e 50 anos. O aplicativo Physitrack está sendo usado para fornecer as intervenções do exercício aos participantes dos dois grupos e acompanhar a adesão às intervenções do exercício.

Leia mais (abre numa nova janela)

Um estudo-piloto sobre a usabilidade e aplicabilidade da Physitrack

Para o Fysio Future Lab, um grupo de fisioterapeutas inovadores testa aplicações tecnológicas no dia a dia clínico. Por meio de questionários curtos e entrevistas, a facilidade de uso, aplicabilidade e valor fisioterapêutico são mapeados para cada aplicação. Estes estudos-piloto centram-se na perspectiva do terapeuta e do paciente. Além disso, é possível que tanto pacientes como os terapeutas preencham um breve questionário para os aplicativos tecnológicos que já são utilizados.

A Physitrack foi objeto do primeiro estudo. Os fisioterapeutas (n=18) classificaram a Physitrack com uma graduação de 8/10 e 87% gostaram de trabalhar com a plataforma. Os custos relacionados com a utilização da Physitrack foram considerados aceitáveis.

Fysio Future Lab, Hogeschool Utrecht 2017


Leia mais (abre numa nova janela)

Efeito de uma intervenção abrangente de eReabilitação concomitante a reabilitação convencional do AVC na incapacidade e na qualidade de vida relacionada com a saúde: Uma comparação pré-pós

Objetivo

Comparar o efeito sobre a incapacidade e a qualidade de vida da reabilitação convencional (grupo controle) com a intervenção individualizada e personalizada de e-Reabilitação, juntamente com a reabilitação convencional (Fast@home; grupo de intervenção), em pessoas com AVC.

Métodos

‍Designpré-pós. A intervenção incluiu exercícios cognitivos (Braingymmer®) e físicos (Telerevalidatie®/Physitrack®), rastreio de atividade (Activ8®) e psico-educação. As avaliações foram efetuadas na admissão (T0) e após 3 (T3) e 6 meses (T6). O resultado primário foi a incapacidade (Stroke Impact Scale; SIS). Os resultados secundários foram: qualidade de vida relacionada com a saúde, fadiga, auto-gestão, participação e atividade física. As alterações nas pontuações entre T0-T3, T3-T6 e T0-T6 foram comparadas por análise de variância e modelos lineares mistos.

Resultados

The study included 153 and 165 people with stroke in the control and intervention groups, respectively. In the intervention group, 82 (50%) people received the intervention, of whom 54 (66%) used it. Between T3 and T6, the change in scores for the SIS subscales Communication (control group/intervention group -1.7/-0.3) and Physical strength (-5.7/3.3) were significantly greater in the total intervention group (all mean differences< minimally clinically important differences). No significant differences were found for other SIS subscales or secondary outcomes, or between T0-T3 and T0-T6.

Conclusão

A eReabilitação em conjunto com a reabilitação convencional pós-acidente vascular cerebral teve um pequeno efeito positivo a longo prazo na comunicação e na força física, em comparação com a reabilitação convencional exclusiva.

Brouns, B., van Bodegom-Vos, L., J. de Kloet, A., J. Tamminga, S., Volker, G., A.M. Berger, M., Fiocco, M., H. Goossens, P., P. M. Vliet Vlieland, T., & J. L. Meesters, J. (2021). Efeito de uma intervenção abrangente de eRehabilitation junto com a reabilitação convencional de AVC na deficiência e na qualidade de vida relacionada à saúde: Uma comparação pré-pós. Journal of Rehabilitation Medicine, 53(3), 1-10. https://doi.org/10.2340/16501977-2785

Leia mais (abre numa nova janela)

Programas de exercício orientados por fisioterapeutas para pacientes com cancêr: rumo a uma maior adaptação e implementação (Projeto VEERKRACHT)

O projeto visava tornar as intervenções de exercício para pacientes com câncer melhores e mais fáceis de utilizar. Os principais objetivos eram

  • Melhorar os programas de exercício que os fisioterapeutas adaptam para pacientes pessoas com cancêr de mama metastático.
  • Compreender como os fisioterapeutas decidem quais os exercícios utilizam em sua prescrição e como isso pode ajudar a descrever e avaliar a fidelidade das intervenções e a formação dos profissionais de saúde.
  • Aprenda com as intervenções mais atuais de exercício nos Países Baixos e explore a forma de as implementar nos cuidados oncológicos.

Num dos estudos incluídos, foi avaliada a satisfação dos fisioterapeutas com a plataforma Physitrack. Dez fisioterapeutas tinham utilizado a plataforma Physitrack e classificaram favoravelmente a sua usabilidade e a clareza dos exercícios. No entanto consideravam uma desvantagem da plataforma se os fisioterapeutas utilizassem um registro médico eletrônico (EMR) que não tivesse integração com a Physitrack.

Leia mais (abre numa nova janela)

"Parece um pouco louco, mas foi quase que pessoal": Um Estudo Qualitativo de Experiências Clínicas e de Exercícios de Fisioterapia para Pacientes de Osteoartrite do Joelho Via Skype

Arthritis Care & Research 2017; 69(12): 1834-1844, https://doi.org/10.1002/acr.23218

Este estudo qualitativo centrou-se na investigação das percepções do fisioterapeuta e pacientes na utilização da videoconferência para intervenções de exercício supervisionado de OA de joelho.

Foram realizadas entrevistas individuais semi-estruturadas com 12 pacientes (idade média 62 anos, 50% mulheres) e 8 fisioterapeutas e os dados foram analisados qualitativamente utilizando uma abordagem temática. 

Foram identificados seis temas: 

Estrutura: 

  1. tecnologia (fácil de usar, qualidade variável, instalação e assistência)
  2. conveniência do paciente (eficiência do tempo, flexível, maior acesso)

Resultados: 

  1. satisfação com o tratamento (satisfatório, agradável, pacientes recomendariam, os terapeutas sentiram a videoconferência mais útil como coadjuvante do habitual consultório)
  2. benefícios para os pacientes (redução da dor, melhoria da função, melhoria da confiança e da autoeficácia)

Processo:

  1. incentivo de autogestão (facilitada pelo ambiente doméstico e terapeutas centrados num tratamento eficaz)
  2. relações terapêuticas positivas (atenção pessoal indivisível dos terapeutas, Interações de apoio amigável)
  3. (apenas a partir de entrevistas com terapeutas) ajustando tratamentos de rotina (necessidade de modificar hábitos, desconforto sem atendimento presencial, apoiado por um ambiente de investigação)

As experiências de pacientes e profissionais observadas neste estudo foram, na sua maioria, positivas. A videoconferência utilizando uma tecnologia familiar (neste caso o Skype) parece ser um método viável e aceitável para a realização de intervenções de exercício, tanto pelos pacientes com o joelho acometido por OA, como pelos prestadores de cuidados. A videoconferência como um método viável para a realização de intervenções de exercício pode aumentar o alcance e a facilidade de acesso à fisioterapia para indivíduos com OA do joelho. A intervenção de exercício através de videoconferência foi entendida como motivadora para pacientes e permitiu o desenvolvimento de relações terapêuticas positivas, apesar da falta de acesso presencial.

Em resumo, os benefícios do método de tratamento foram, por exemplo

  • Eficiência temporal, maior acesso e flexibilidade para pacientes
  • O exercício no ambiente doméstico foi entendido como elemento fortalecedor para pacientes
  • Os fisioterapeutas podiam se concentrar em facilitar o apoio à autogestão do paciente e não havia necessidade de gastar tempo em tratamentos presenciais que eram vistos como adjuvantes
  • Mudança no equilíbrio do poder de relacionamento - mudança de foco de centrado no terapeuta, para centrado no paciente
  • Os fisioterapeutas mudaram o foco para ouvir a história do paciente em vez de confiarem apenas nos testes físicos
  • Os pacientes valorizaram o apoio técnico que receberam no início da reabilitação para instalar e utilizar o sistema de videoconferência.
  • Os pacientes consideraram que a reabilitação remota foi eficiente e eficaz. Na perspectiva dos fisioterapeutas, a reabilitação remota também foi vista como eficaz, mas também proporcionou uma opção fisicamente menos exigente.
Hinman RS, Nelligan RK, Bennell KL, Delany C
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

Fisioterapeutas e pacientes relatam experiências positivas em geral com a Telessaúde durante a pandemia da COVID-19: um estudo de métodos mistos

Journal of Physiotherapy 2021;67:201-209, https://doi.org/10.1016/j.jphys.2021.06.009

Neste estudo transversal utilizando métodos quantitativos e qualitativos, os autores quiseram saber mais sobre como a videoconferência foi utilizada em fisioterapia durante a pandemia de COVID-19 e como foi a experiência dos fisioterapeutas e pacientes.

Um total de 207 fisioterapeutas, tanto de consultórios privados como comunitários, e 401 pacientes (adultos ≥ 18 anos ) participaram de uma pesquisa online. A pesquisa online incluiu questões relativas à implementação da videoconferência, por exemplo, custo e software utilizado (na versão do fisioterapeuta) e a percepção da eficácia, segurança, facilidade de utilização e conforto na comunicação através da videoconferência.

Os resultados indicaram que a maioria dos fisioterapeutas tinha a intenção de continuar a utilizar a videoconferência para consultas individuais também após a pandemia. Dois em cada três também planejam utilizar a videoconferência para ministrar aulas em grupo.

As experiências dos fisioterapeutas e pacientes foram positivas. Os fisioterapeutas deram classificações moderadas a altas para a eficácia e satisfação com a videoconferência como método de tratamento de fisioterapia. Também o pacientes deu classificações de moderada a elevada para a facilidade de utilização da tecnologia, conforto na comunicação, satisfação com a gestão, satisfação com a privacidade/segurança, segurança e eficácia tanto para sessões individuais como de grupo.

A tecnologia foi vista como o fator mais forte de promoção, bem como a razão para a utilização da videoconferência. O risco de queda era o principal fator de segurança.

Implicações clínicas: Segundo os autores "pacientes e fisioterapeutas tiveram geralmente experiências positivas utilizando a videoconferência para consultas individuais e aulas de grupo. Os resultados sugerem que a videoconferência é uma opção viável para a prestação de cuidados de fisioterapia no futuro".
Bennell KL, Lawford BJ, Metcalf B, Mackenzie D, Russell T, van den Berg M, Finnin K, Crowther S, Aiken J, Fleming J, Hinman RS
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

Eficácia da Telereabilitação em Fisioterapia: Uma revisão rápida

Fisioterapia. 2021 Jun 1;101(6):pzab053, https://doi.org/10.1093/ptj/pzab053

Esta "Revisão Rápida" visava resumir as evidências disponíveis sobre a telereabilitação em fisioterapia.

Os autores realizaram uma pesquisa em várias bases de dados e incluíram revisões sistemáticas (RE) onde foi avaliada a fisioterapia ministrada através de métodos de reabilitação por telereabilitação. Os desfechos de interesse foram 'eficácia clínica' (por exemplo, dor), 'funcionalidade', 'qualidade de vida' (QV), 'satisfação', 'aderência' e 'segurança'. A análise dos resultados foi qualitativa.

Os autores incluíam 53 RS das quais 17 tinham um baixo risco de enviesamento. As RS incluíram as seguintes áreas: cardiorrespiratória (n=15), musculoesquelética (n=14), e neurológica (n=13). O resto (n=11) abordava outros tipos de condições e reabilitação.

Apenas uma SR com baixo risco de enviesamento em comparação com a reabilitação presencial no cenário da musculoesquelética. Os resultados favoreceram a telereabilitação em relação à reabilitação presencial em termos de eficácia clínica e função, mas não para a qualidade de vida. Sete SR com baixo risco de enviesamento compararam a telereaabilitação a nenhuma reabilitação em contexto da musculoesquelética e não encontraram diferença entre os grupos no que diz respeito à eficácia clínica e resultados conflituosos para a função. Cinco das 6 SR de baixo risco reportaram uma telereabilitação superior à não reabilitação para QV e uma SR sem diferença entre as intervenções...

Acesse aqui o artigo gratuito "open access", leia mais e descubra como funciona a telereabilitação para pacientes da cardorespiratória".

Como os autores afirmaram, é crucial continuar a investigação e, no futuro, realizar ensaios clínicos de alta qualidade investigando a eficácia da telereabilitação em fisioterapia.

Seron P, Oliveros MJ, Gutierrez-Arias R, Fuentes-Aspe R, Torres-Castro RC, Merino-Osorio C, Nahuelhual P, Inostroza J, Jalil Y, Solano R, Marzuca-Nassr GN, Aguilera-Eguía R, Lavados-Romo P, Soto-Rodríguez FJ, Sabelle C, Villarroel-Silva G, Gomolán P, Huaiquilaf S, Sanchez P. E
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

Eficácia do exercício via Telessaúde para doenças crônicas: uma revisão sistemática e meta-análise das intervenções de exercício realizadas através de videoconferência

Br J Sports Med. 2022;bjsports-2021-105118, doi:10.1136/bjsports-2021-105118

Nesta revisão sistemática e meta-análise, os autores avaliaram a eficácia das intervenções de exercício realizadas por teleconferência (ou seja, profissionais de saúde que supervisionam os participantes através de uma sessão de exercício utilizando uma ligação por vídeo à distância) em pessoas com doenças crônicas.

Realizaram uma revisão sistemática e incluíram ensaios em que participantes com doenças crônicas receberam intervenções de exercício (treino aeróbico e/ou de resistência) realizadas através de métodos de teleconferência. Os ensaios tinham também de avaliar a capacidade do exercício, e/ou a qualidade de vida (QV).

As meta-análises foram realizadas para comparações entre grupos da capacidade de exercício e QV. Foi analisado o risco de enviesamento e a certeza da evidência com a classificação de Recomendações, Avaliação, Desenvolvimento e Avaliação (GRADE).

Encontraram 32 ensaios que correspondiam aos critérios de inclusão. Os estudos tinham um risco moderado de enviesamento e as classificações de certeza da GRADE eram de baixas a moderadas (saiba mais sobre o GRADE aqui. A aderência foi relatada em 23 ensaios e em média foi de 70%.

For exercise capacity and QOL the results from the meta-analyses favored videoconferencing when exercise intervention was compared to intervention without exercise component (small to moderate effect: standardized mean difference (SMD)=0.616, 95% CI 0.278 to 0.954; p=<0.001), SMD=0.400, 95% CI 0.099 to 0.701; p=0.009, respectively). When videoconferencing was compared to an exercise intervention delivered in-person, the results favored videoconferencing, with effects being small (QOL SMD=0.271, 95% CI 0.028 to 0.515; p=0.029, exercise capacity SMD=0.242, 95% CI 0.059 to 0.426; p=0.009).

Não foram encontrados eventos adversos graves relacionados com a videoconferência.

Implicações clínicas: Aparentemente a videoconferência como método de realização de intervenções de exercício pode ser um método viável, bem como seguro e eficaz em pessoas com doenças crônicas. No entanto, são ainda necessários mais estudos de alta qualidade.

Brown RC, Coombes JS, Jungbluth Rodriguez K, Hickman IJ, Keating SE.
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

Reabilitação em Tempo Real em Adultos Idosos com Problemas Musculoesqueléticos: Revisão Sistemática e Meta-análise

JMIR Rehabil Assist Technol . 2022;9(3):e36028. doi:10.2196/36028

A telereabilitação síncrona (TS) oferece maior flexibilidade em relação à reabilitação tradicional e pode apoiar a continuidade da reabilitação através da remoção de barreiras, tais como viajar pessoalmente para consultas presenciais. A reabilitação por telereabilitação síncrona é fornecida utilizando ferramentas de telecomunicações em tempo real, por exemplo, consultas por telefone ou videochamadas.

Esta revisão sistemática visava, portanto, avaliar a eficácia da telereabilitação síncrona (TS) no desempenho físico em comparação com os cuidados habituais. Visava também avaliar as taxas de conclusão e a relação custo-eficácia da TS em comparação com os cuidados habituais. Os cuidados habituais poderiam ser fisioterapia ministrada de forma tradicional, intervenção educacional ou nenhum cuidado.

Esta revisão sistemática procurou Ensaios Clínicos Randomizados (ECR) e incluiu estudos em que a telereabilitação síncrona foi utilizada em adultos mais velhos que procuravam cuidados para condições musculoesqueléticas. Foram incluídos os estudos com resultados de função física/desempenho (não autorrelatados), taxa de conclusão da intervenção e/ou resultados de custo-eficácia. A qualidade dos estudos incluídos foi avaliada utilizando a ferramenta de risco de viés da Cochrane. Dez estudos que cumpriam os critérios de inclusão foram incluídos na revisão sistemática e meta-análise (4 estudos tinham baixo risco de viés). A maioria dos estudos centrou-se na reabilitação antes ou depois da cirurgia de prótese de joelho ou de quadril.

Com base nos resultados, os cuidados habituais não foram superiores aos cuidados de reabilitação prestados utilizando a telereabilitação síncrona. Os resultados (equilíbrio, amplitude de movimento, força) foram semelhantes entre os grupos ou mesmo ligeiramente melhores entre os grupos de TS. Não houve grande diferença entre as taxas de conclusão da intervenção e os resultados sobre a relação custo-eficácia (de 2 estudos) favorecendo a TS em relação aos cuidados habituais.

As implicações clínicas retiradas desta revisão poderiam ser que a telereabilitação síncrona é um método alternativo viável para a reabilitação em adultos mais velhos com condições musculoesqueléticas, especialmente antes ou depois da cirurgia de prótese de joelho e quadril, uma vez que parece resultar em melhorias físicas pelo menos semelhantes às dos cuidados habituais.

A telereabilitação síncrona (TS) oferece flexibilidade à reabilitação tradicional e pode apoiar a continuidade da reabilitação, removendo barreiras tais como viajar pessoalmente para consultas presenciais. A reabilitação por telereabilitação síncrona é fornecida utilizando ferramentas de telecomunicação em tempo real, por exemplo, consultas por telefone ou videochamadas.

Esta revisão sistemática visava, portanto, avaliar a eficácia da telereabilitação síncrona no desempenho físico em comparação com os cuidados habituais. Visava também avaliar as taxas de conclusão e a relação custo-eficácia da TS em comparação com os cuidados habituais. Os cuidados habituais poderiam ser fisioterapia ministrada de forma tradicional, intervenção educativa ou sem cuidados.

Esta revisão sistemática procurou Ensaios Clínicos Randomizados (ECR) e incluiu estudos em que a telereabilitação síncrona foi utilizada em adultos mais velhos que procuravam cuidados em condições musculoesqueléticas. Foram incluídos os estudos com resultados de função física/desempenho (não autorrelatados), taxa de conclusão da intervenção e/ou resultados de custo-eficácia. A qualidade dos estudos incluídos foi avaliada utilizando a ferramenta de risco de viés da Cochrane.

Dez estudos que cumpriam os critérios de inclusão foram incluídos na revisão sistemática e meta-análise (4 estudos apresentavam baixo risco de viés). A maioria dos estudos centrou-se na reabilitação antes ou depois da cirurgia de prótese de joelho ou de quadril.

Com base nos resultados, os cuidados habituais não foram superiores aos da reabilitação, prestada com telereabilitação síncrona. Os resultados (equilíbrio, amplitude de movimento, força) foram semelhantes entre os grupos ou mesmo ligeiramente melhores entre os grupos telereabilitação síncrona. Não houve grande diferença entre as taxas de conclusão da intervenção e os resultados sobre a relação custo-eficácia (de 2 estudos) favorecendo a TS em relação aos cuidados habituais.

As implicações clínicas retiradas desta revisão poderiam ser que a telereabilitação síncrona é um método alternativo viável para a reabilitação em adultos mais velhos com condições musculoesqueléticas, especialmente antes ou depois da cirurgia de prótese de joelho e quadril, uma vez que parece resultar em melhorias físicas pelo menos semelhantes às dos cuidados habituais.

Jirasakulsuk N, Saengpromma P, Khruakhorn S.
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

Comparação do Programa de Tratamento da Osteoartrite do Quadril ou da Osteoartrite do Joelho com intervenção presencial vs. intervenção Digital de um Programa de Tratamento da Osteoartrite do quadril ou do Joelho

Osteoartrose. JAMA Netw Open. 2022;5(11):e2240126. https://doi.org/10.1001/jamanetworkopen.2022.40126

Neste estudo de coorte registrado na Suécia, o objetivo era avaliar a eficácia da intervenção digital em comparação com a intervenção tradicional presencial na redução da dor entre indivíduos com osteoartrite (OA) do joelho ou do quadril.

Todos os pacientes com OA do joelho ou do quadril que participaram em tratamentos estruturados de primeira linha, seja presencial (F2F) ou digital, num ambiente de cuidados primários na Suécia (entre 1 de Abril de 2018, e 31 de Dezembro de 2019) foram incluídos. Os participantes foram excluídos se não tivessem relatado dores no seguimento de 3 meses, ou se a adesão à intervenção fosse inferior a 80%.

A intervenção presencial incluiu exercício e educação, sendo o exercício personalizado e supervisionado duas vezes por semana durante 6 a 8 semanas. A intervenção Digital foi prescrita através de um aplicativo móvel. A intervenção incluiu educação e conteúdo de exercícios e questionários sobre os tópicos de educação enviados diariamente. O nível do exercício foi baseado na progressão dos participantes no programa. Todos os participantes tiveram também acesso a fisioterapeutas através de chat assíncrono no aplicativo e/ou via telefone. A intervenção durou 12 semanas.

O desfecho primário foi a diferença entre grupos na "alteração na dor" medida com 11 pontos de uma escala numérica na linha de base e no seguimento de 3 meses. Os outros resultados avaliados foram dificuldades de locomoção, qualidade de vida relacionada com a saúde, vontade em realizar a cirurgia, e comportamento de evitação por medo.

O estudo incluiu 6946 participantes, com idade média de 67 anos (SD=9). Pouco mais de metade dos participantes receberam a intervenção presencial e aproximadamente 3/4 eram do sexo feminino.

Ambas as intervenções resultaram em melhorias clinicamente significativas na dor ao longo dos 3 meses. A intervenção feita digitalmente resultou em melhorias ligeiramente maiores do que a intervenção presencial (diferença média ajustada, -0,93 [95% CI, -1,04 a -0,81] pontos). Não houve grandes diferenças entre os grupos nos desfechos secundários.

Implicações clínicas Este estudo de coorte mostrou que as pessoas com OA de joelho ou de quadril podem se beneficiar da intervenção de exercício e educação ministrada através de aplicativo móvel da mesma forma que pela intervenção presencial com treino de exercício supervisionado duas vezes por semana. Consequentemente, a reabilitação de OA do joelho/quadril com prescrição digital pode ser um método viável para indivíduos que preferem se comprometer com um programa que possa oferecer mais flexibilidade.

Jönsson T, Dell'Isola A, Lohmander LS, Wagner P, Cronström A.
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

Um aplicativo com acesso remoto consegue uma melhor aderência a programas de exercício em casa do que os folhetos em papel em pessoas com condições musculoesqueléticas: um ensaio randomizado

Resumo

Questão de pesquisa: As pessoas com condições musculoesqueléticas aderem melhor aos seus programas de exercício em casa quando lhes são fornecidos num aplicativo com acesso remoto em comparação com os folhetos em papel?

Delineamento da pesquisa: Ensaio randomizado, em grupo paralelo, com análise de intenção de tratar.

Participantes: Oitenta participantes com problemas musculoesqueléticas de membros superiores ou inferiores foram recrutados para o ensaio. A cada participante foi prescrito por um fisioterapeuta num hospital universitário na Austrália um programa de exercícios em casa com a duração de 4 semanas. Os participantes foram alocados aleatoriamente através de um procedimento de aleatorização em blocos cegados gerado por computador para grupos de intervenção (n=40) ou de controle (n=40).

Intervenção: Os participantes no grupo de intervenção receberam os seus programas de exercícios em casa num aplicativo ligado a website livremente disponível em www.physiotherapyexercises.com. Receberam também chamadas telefônicas suplementares e mensagens de texto motivacionais. Os participantes no grupo de controle receberam os seus programas de exercícios em casa como um folheto em papel.

Medidas de resultados: Os avaliadores cegos coletaram medidas de resultados na linha de base e em 4 semanas. O resultado principal foi a aderência ao exercício autorelatado. Houve cinco resultados secundários, que captaram o desempenho funcional, incapacidade, satisfação dos pacientes, percepções da eficácia do tratamento, e diferentes aspectos da adesão.

Resultados: Os resultados de 77 participantes foram disponibilizados. A diferença média entre grupos para a adesão ao exercício autodeclarado em 4 semanas foi de 1,3/11 pontos (95% CI 0,2 a 2,3), favorecendo o grupo de intervenção. A diferença média entre grupos para a função foi de 0,9/11 pontos (95% CI 0,1 a 1,7) na Escala Funcional específica do Paciente, favorecendo também o grupo de intervenção. Não houve diferenças significativas entre os grupos para os restantes resultados.

Conclusão: As pessoas com condições musculoesqueléticas aderem melhor aos seus programas de exercício em casa quando os programas são fornecidos num aplicativo com acesso remoto em comparação com os folhetos em papel; contudo, a importância clínica desta adesão acrescentada não é clara.

Registro do trial: ACTRN12616000066482. [Lambert TE, Harvey LA, Avdalis C, Chen LW, Jeyalingam S, Pratt CA, Tatum HJ, Bowden JL, Lucas BR (2017) Um aplicativo com apoio remoto consegue uma melhor aderência a programas de exercício em casa do que folhetos de papel em pessoas com condições musculoesqueléticas: um ensaio randomizado. Journal of Physiotherapy 63: 161-167].

Palavras-chave: Terapia com exercício; aplicativos móveis; adesão do paciente; Modalidades de fisioterapia.

Tara E Lambert, Lisa A Harvey, Christos Avdalis, Lydia W Chen, Sayanthinie Jeyalingam, Carin A Pratt, Holly J Tatum, Jocelyn L Bowden & Barbara R Lucas
PubMed
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

Explorando as experiências de pacientes e profissionais em consultas de vídeo nos cuidados primários: uma revisão de escopo

Resumo

Introdução:

A consulta por vídeo (CV) é um método de consulta em crescente na prática clínica. Os desafios e benefícios da sua implementação não se concretizam necessariamente até que esteja em uso, e sendo experimentados por pacientes e profissionais. Até à data, não houve qualquer revisão sobre as evidências de como pacientes e os profissionais experienciam a CV na prática clínica.


Objetivo

O estudo visava explorar as experiências tanto de pacientes como de profissionais que utilizam as consultas de vídeo nos cuidados primários.


Delineamento e prodecimentos

Foi realizada uma revisão sistemática de escopo dos estudos empíricos.


Método

Todas as principais bases de dados foram pesquisadas para estudos empíricos de qualquer delineamento, publicados de 1 de Janeiro de 2010 a 11 de Outubro de 2018 em língua inglesa. Foram incluídos estudos em que ocorreram consultas em vídeos sincrônicos entre um paciente e um clínico num contexto de cuidados primários. Resultados de interesse relacionados com a experiência de utilização. A qualidade dos estudos incluídos foi avaliada. Os resultados foram analisados utilizando síntese narrativa.


Resultados

Sete estudos foram incluídos na revisão. Os pacientes relataram estar satisfeitos com as consultas em vídeo, descrevendo como principais benefícios, a redução nos tempos de espera e nos custos de transporte. Para pacientes e profissionais, a consulta por vídeo não foi considerada apropriada para todas as situações, e a consulta presencial foi considerada preferível, quando possível.


Conclusão

Os resultados desta revisão de escopo mostram que pacientes e profissionais de cuidados primários, relatam tanto experiências positivas como negativas quando utilizam a consulta por vídeo, e estas experiências são, em certa medida, dependentes do contexto. A consulta por vídeo é potencialmente mais conveniente para pacientes, mas não é considerada superior a uma consulta presencial. Os relatos de experiência são úteis no planeamento e implementação de qualquer serviço de consulta por vídeo.

Arun Thiyagarajan, BSc, MRCP, MRCGP, MPH, 1 Calum Grant, MPhys (Hons), 2 Frances Griffiths, PhD FRCGP, 3 , 4 e Helen Atherton, BSc (Hons), MSc, MPH, PhD 5 ,*
PubMed
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

Os resultados comunicados pelos pacientes com consultas ortopédicas à distância por telemedicina: Um ensaio controlado randomizado

Resumo

Introdução: Serviços descentralizados através de clínicas de tecnologia moderna reduzem o tempo nos deslocamentos dos pacientes e o custo para a sociedade. A consulta de telemedicina através de videoconferência é uma dessas modalidades. Aqui, comparamos os resultados de saúde relatados pelo paciente e a satisfação entre as consultas ortopédicas presenciais e as consultas ortopédicas presenciais padrão.


Métodos: Este ensaio clínico randomizado controlado incluiu dois grupos paralelos: (1) pacientes recebendo consulta remota vídeo-assistida num centro médico regional (RMC); e (2) pacientes recebendo consulta padrão no ambulatório ortopédico do Hospital Universitário do Norte da Noruega (UNN). Este estudo incluiu pacientes referido ou agendado para uma consulta no ambulatório de ortopedia. Após cada consulta, a satisfação do paciente foi determinada utilizando questionários preenchidos pelo paciente contendo perguntas sobre saúde relatada pelo paciente (índice europeu de três níveis de qualidade de vida de cinco dimensões (EQ-5D-3L)/escala visual analógica europeia de qualidade de vida (EQ-VAS)) e perguntas de um Questionário de Experiências OutPatient validado (OPEQ).


Resultados: Este estudo incluiu 389 pacientes, dos quais 199 receberam consulta à distância e 190 receberam consulta padrão (total de 559 consultas). No total, 99% RMC-randomizado pacientes e 99% UNN-randomizado pacientes avaliaram a consulta como muito satisfatória ou satisfatória. Além disso, 86% dos pacientes RMC-randomizado preferiu a consulta vídeo-assistida como a consulta seguinte. Não se observou qualquer diferença na saúde declarada pelos pacientes após 12 meses entre os dois grupos. As pontuações do índice EQ-5D foram de 0,77 e 0,75 para pacientes RMC- e UNN-randomizado, respectivamente (p = 0,42).


Discussão: Não observámos qualquer diferença na satisfação e saúde relatada pelos pacientes (EQ-5D/EQ-VAS) entre as consultas assistidas por vídeo e as consultas padrão, sugerindo que a consulta remota assistida por vídeo pode ser oferecida com segurança a algum paciente ortopédico. Além disso, uma proporção significativamente elevada de pacientes selecionou a consulta à distância vídeo-assistida como a sua próxima consulta, reforçando assim as conclusões deste estudo. No entanto, os aspectos económicos devem ser avaliados antes de se recomendar amplamente a consulta vídeo-assistida.


Palavras-chave: Telemedicina; ortopédico; ambulatório; satisfação dos pacientes; qualidade de vida; ensaio clínico randomizado controlado; consultas à distância; videoconferência.

Astrid Buvik 1, Einar Bugge 2, Gunnar Knutsen 1, Arvid Småbrekke 1, Tom Wilsgaard 2 3
PubMed
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

Satisfação e preferência dos pacientes por consultas de Telessaúde

Resumo

Introdução: Um quarto dos EUA pacientes não tem um prestador de cuidados primários ou não tem acesso completo a um. O trabalho e as responsabilidades pessoais também competem com a procura de cuidados convenientes e acessíveis. Telessaúde serviços facilitam pacientes' acesso aos cuidados, mas se pacientes está satisfeito com Telessaúde não é claro.


Objetivo: Avaliamos a satisfação da cirurgia e a preferência por Telessaúde nas visitas de um programa de Telessaúde nas consultas por vídeo MinuteClinics.

Delineamento: estudo transversal de satisfação dos pacientes.


Os participantes: pacientes tinham a idade ≥18 anos, apresentados num serviço de Telessaúde MinuteClinic em Janeiro a Setembro de 2014, tinham sintomas adequados para uma consulta de Telessaúde, e concordaram com uma visita de Telessaúde quando o profissional do local estava ocupado.


Medidas principais: pacientes relataram a idade, sexo, e se tinham seguro de saúde e/ou um prestador de cuidados primários. Os pacientes classificaram a sua satisfação em ver imagens de diagnóstico, ouvir e ver o profissional à distância, a capacidade da enfermeira assistente no local, qualidade dos cuidados, conveniência, e compreensão geral. pacientes classificou Telessaúde visitas em comparação com as tradicionais: melhor (definido como preferindo Telessaúde), tão bom (definido como gostando Telessaúde), ou pior. Os preditores, preferir ou gostar de Telessaúde, foram avaliados através de regressão logística multivariada.


Principais resultados: No total, 1734 (54 %) de 3303 pacientes completaram a pesquisa: 70 % eram mulheres, e 41 % não tinham um local de atendimento habitual. Entre 94 e 99 % relataram estar "muito satisfeitas" com todos os atributos da Telessaúde. Um terço preferiu uma consulta de Telessaúde a uma consulta tradicional presencial e 57% gostou da Telessaúde. A falta de seguro médico aumentou as probabilidades de preferir a Telessaúde (OR = 0,83, 95 % CI, 0,72-0,97). Os usuários que gostaram de Telessaúde eram do sexo feminino (OR = 1,68, 1,04-2,72) e estavam muito satisfeitos com a sua compreensão geral de Telessaúde (OR = 2,76, 1,84-4,15), qualidade dos cuidados recebidos (OR = 2,34, 1,42-3,87), e conveniência da Telessaúde (OR = 2,87, 1,09-7,94) CONCLUSÕES: Os pacientes relataram grande satisfação com a sua experiência em Telessaúde. A conveniência e a percepção da qualidade dos cuidados foram importantes para pacientes, sugerindo que a Telessaúde pode facilitar o acesso aos cuidados em saúde.


Palavras-chave: acesso aos cuidados; satisfação do paciente; Telessaúde.

Jennifer M Polinski 1, Tobias Barker 2, Nancy Gagliano 2, Andrew Sussman 2, Troyen A Brennan 2, William H Shrank 2
PubMed
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

Revisão sistemática da satisfação dos pacientes e prestadores de cuidados com Telessaúde e videoconferência como modo de prestação de serviços na gestão de saúde de pacientes

Resumo
Telessaúde é um método alternativo de prestação de cuidados de saúde a pessoas obrigadas a percorrer longas distâncias para cuidados de saúde de rotina. O objetivo desta revisão sistemática era examinar se pacientes e os seus prestadores de cuidados que vivem em zonas rurais e remotas estão satisfeitos com Telessaúde videoconferência como modo de prestação de serviços na gestão da sua saúde. Foi registrado um protocolo no PROSPERO international prospective register of systematic reviews (#CRD42017083597) e conduzido em conformidade com a declaração Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyses (PRISMA). Foi realizada uma pesquisa sistemática da Ovid Medline, Embase, CINAHL, ProQuest Health Research Premium Collection, Joanna Briggs Institute e a Biblioteca Cochrane. Foram incluídos estudos de pessoas que viviam em zonas rurais e remotas que assistiam a consultas externas para um problema de saúde através de videoconferência se os estudos medissem a satisfação dos pacientes e/ou prestadores de cuidados com Telessaúde. Os dados sobre satisfação foram extraídos e sintetizados de forma descritiva. A qualidade metodológica dos estudos incluídos foi avaliada utilizando uma versão modificada dos Formulários de Revisão Crítica McMaster para Estudos Quantitativos ou Qualitativos. Trinta e seis estudos de delineamento e qualidade variável dos estudos satisfizeram os critérios de inclusão. Os resultados da satisfação com Telessaúde foram categorizados em experiência de sistema, partilha de informação, foco no consumidor e satisfação geral. Verificaram-se níveis elevados de satisfação em todas estas dimensões. Apesar destes resultados positivos, a atual base de evidência carece de clareza em termos de como a satisfação é definida e medida. As pessoas que vivem em zonas rurais e remotas estão geralmente satisfeitas com Telessaúde como um modo de prestação de serviços, uma vez que pode melhorar o acesso aos cuidados de saúde e evitar os inconvenientes das viagens.

Joseph F Orlando 1, Matthew Beard 1, Saravana Kumar 2
PubMed
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

Eficácia da fisioterapia com telereabilitação em cirurgia pacientes: uma revisão sistemática e meta-análise.

Introdução:

Ao longo dos últimos anos, os serviços de telereabilitação desenvolveram-se rapidamente, e pacientes valorizam benefícios como a redução dos inconvenientes de transporte, horas flexíveis de exercício, e a possibilidade de integrar melhor as competências na vida diária. No entanto, os efeitos da fisioterapia com telereabilitação nos resultados funcionais pós-operatórios, em comparação com os cuidados habituais em populações cirúrgicas, são ainda inconclusivos.

OBJETIVOS:

Estudar a eficácia da fisioterapia com Telereabilitação nos resultados funcionais pós-operatórios e na qualidade de vida em cirurgia pacientes.

FONTES DE DADOS:

Estudos relevantes foram obtidos na MEDLINE, EMBASE, CINAHL, Biblioteca Cochrane, PEDro, Google Scholar e na Plataforma Internacional de Registro de Ensaios Clínicos da Organização Mundial de Saúde.

SELEÇÃO DO ESTUDO:

Foram incluídos ensaios clínicos randomizados controlados, ensaios clínicos controlados, estudos quase-randomizados e estudos quase-experimentais com grupo controle, sem restrições em termos de língua ou data de publicação.

EXTRAÇÃO E SÍNTESE DE DADOS:

A qualidade metodológica foi avaliada utilizando a ferramenta Cochrane de risco de viés. Vinte e três registros foram incluídos para síntese qualitativa. Sete estudos foram elegíveis para síntese quantitativa sobre a qualidade de vida, e a diferença média global padronizada foi de 1,01 (intervalo de confiança de 95% de 0,18 a 1,84), indicando um aumento a favor da telereabilitação em cirurgia pacientes.

LIMITAÇÕES:

A variedade de conteúdos de intervenção e de medidas de resultados restringiu a realização de uma meta-análise sobre todas as medidas de desfechos clínicos.

CONCLUSÕES:

A fisioterapia com telereabilitação tem o potencial de aumentar a qualidade de vida, é viável e é, pelo menos, igualmente eficaz como os cuidados habituais nas populações cirúrgicas. Isto pode ser razão suficiente para escolher a fisioterapia com telereabilitação para populações cirúrgicas, embora a eficácia global nos resultados físicos permaneça pouco clara. Número de registro PROSPERO: CRD42015017744.

M.A. van Egmond, M. van der Schaaf, T. Vredeveld, M.M.R. Vollenbroek-Hutten, M.I. van Berge Henegouwen, J.H.G. Klinkenbijl & R.H.H. Engelbert
PubMed
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

Quadro internacional de capacidades essenciais para fisioterapeutas prestarem seriços em cuidados de qualidade através de videoconferência

A estrutura central de capacidade dos fisioterapeutas para prestar cuidados de qualidade através de videoconferência foi desenvolvida utilizando um processo de consenso internacional. O painel internacional Delphi era composto por um grupo diretor, clínicos e investigadores de fisioterapia, representantes de fisioterapia, uma seguradora privada de saúde e consumidores. O quadro final compreendeu 60 capacidades específicas em vários domínios, incluindo: conformidade, privacidade/confidencialidade do paciente, segurança do paciente, competências tecnológicas, Telessaúde entrega, avaliação/diagnóstico e planeamento e gestão dos cuidados de saúde. Este quadro fornece orientação para os conhecimentos e competências exigidos pelos fisioterapeutas e outros profissionais de saúde aliados para a prestação de cuidados através de videoconferência.

Este estudo foi financiado pelo National Health and Medical Research Council (NHMRC) Centre of Research Excellence.

Davies, L., Hinman, R.S., Russell, T., Lawford, B., Bennell, K., (2021). Uma visão internacional das capacidades centrais para fisioterapeutas prestarem cuidados de qualidade através de videoconferência: Estudo Delphi. Journal of physiotherapy. DOI: https://doi.org/10.1016/j.phys.2021.09.001
PDF do estudo
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

Reabilitação com exercícios em casa e com telemedicina após cirurgia cardíaca.

We evaluated the feasibility of a home-based rehabilitation programme, which was designed to resemble an in-hospital rehabilitation programme. Patients who underwent cardiac surgery (EuroSCORE 0-10) followed a one-month home rehabilitation programme supervised by a nurse-tutor and a physiotherapist. Physiotherapy was performed at home with calisthenic exercises and bicycle-ergometer tests. Patients transmitted the recorded ECGs by telephone to a service centre. They also performed a 6-minute walking test and filled in a satisfaction questionnaire at the end of the programme. A total of 47 patients were enrolled in the study. There were 3050 telephone calls, of which 3012 (99%) were scheduled and 38 were unscheduled. No further action was required in 95% of calls. There were 809 sessions for calisthenic exercises and 1039 for exercise training. There was a significant increase in the 6-minute walking test distance at the end of the programme compared to the baseline (404 m vs. 307 m, P < 0.001). Patient satisfaction, as measured in a questionnaire, was about 95% overall. This type of home rehabilitation using telemedicine appears to be worth implementing in selected categories of patients.

Scalvini S1, Zanelli E, Comini L, Tomba MD, Troise G Giordano A
PubMed
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

Effectiveness of an Internet-Delivered Exercise and Pain-Coping Skills Training Intervention for Persons With Chronic Knee Pain: A Randomized Trial

Introdução: São necessários tratamentos biopsicossociais eficazes e acessíveis para gerir a dor crônica no joelho a um nível populacional.

Objetivo: Avaliar a eficácia do exercício domiciliar prescrito por fisioterapeutas e treino de aptidões para a dor (PCST), fornecidos pela Internet.

Delineamento: Grupo paralelo pragmático: ensaio clínico randomizado e controlado. (Registro Australiano de Ensaios Clínicos da Nova Zelândia: ACTRN12614000243617)

Alocação: Comunidade (Austrália).

pacientes: 148 pessoas com 50 anos ou mais com dores crônicas no joelho.

Intervenção: A intervenção foi entregue através da Internet e incluiu material educativo, 7 sessões de videoconferência (Skype [Microsoft]) com um fisioterapeuta para exercício domiciliar, e um programa PCST durante 3 meses. O controle foi feito através de material educativo baseado na Internet.

Desfechos: Os resultados primários foram dor durante a marcha (escala de classificação numérica de 11 pontos) e função física (índice de Osteoartrose das Universidades Western Ontario e McMaster) aos 3 meses. Os resultados secundários foram dor no joelho, qualidade de vida, mudança global (global, dor e estado funcional), auto-eficácia da artrite, capacidade de resposta, e dor catastrófica. Os resultados também foram medidos aos 9 meses.

Resultados: Dos participantes inscritos, 139 (94%) completaram medidas de resultados primários aos 3 meses e 133 (90%) completaram medidas de resultados secundários aos 9 meses; a imputação múltipla foi utilizada para os dados em falta. O grupo de intervenção reportou uma melhoria significativamente maior na dor (diferença média, 1,6 unidades [IC 95%, 0,9 a 2,3 unidades]) e função física (diferença média, 9,3 unidades [IC, 5,9 a 12,7 unidades]) do que o grupo de controle aos 3 meses, e as melhorias foram sustentadas aos 9 meses (diferenças médias, 1,1 unidades [IC, 0,4 a 1,8 unidades] e 7,0 unidades [IC, 3,4 a 10,5 unidades], respectivamente). Os participantes na intervenção mostraram significativamente mais melhorias na maioria dos resultados secundários do que os participantes no controle. Em ambos os momentos, um número significativamente maior de participantes de intervenção relatou melhorias globais.

Limitação: Os participantes não foram cegados.

Conclusão: Para pessoas com dores crônicas no joelho, exercícios prescritos pela Internet, fisioterapeutas e PCST proporcionam melhorias clinicamente significativas na dor e função que se mantêm durante pelo menos 6 meses.

Fonte de Financiamento Primária: Conselho Nacional de Saúde e Pesquisa Médica.

Kim L. Bennell, BAppSci(Physio), PhD; Rachel Nelligan, BPhysio; Fiona Dobson, BAppSci(Physio), PhD; Christine Rini, PhD; Francis Keefe, BA, MS, PhD; Jessica Kasza, BSc(Hons), PhD; Simon French, BAppSc(Chiro), MPH, PhD; Christina Bryant, MA(Clin Psych), PhD; Andrew Dalwood, BAppSci(Physio), GradDipManipTherapy; J. Haxby Abbott, PhD, DPT; Rana S. Hinman, BPhysio(Hons), PhD
Annals of Internal Medicine
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

Benefícios de um programa de exercício físico em casa para idosos com diabetes mellitus tipo 2

Um programa de exercício físico em casa melhora a qualidade de vida, o controle glicêmico e o peso em pacientes diabéticos do tipo 2 com mais de 60 anos de idade.

Ferrer-García JC1, Sánchez López P, Pablos-Abella C, Albalat-Galera R, Elvira-Macagno L, Sánchez-Juan C, Pablos-Monzó A.
Endocrinol Nutrition
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

Um ensaio randomizado e controlado de reabilitação de telereabilitação domiciliária para artroplastia pós-coplástica.

A telereabilitação domiciliar é pelo menos tão eficaz como os cuidados habituais, e tem o potencial de aumentar o acesso à terapia em áreas com serviços de Internet de alta velocidade.

Tousignant M, Moffet H, Boissy P, Corriveau H, Cabana F, Marquês F.
J Telemed Telecare. 2011;17(4):195-8. Epub 2011 Mar 11.
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

O empenho na reabilitação influencia o resultado clínico da artroplastia total de restauração do quadril ?

Pacientes que estavam mais empenhados na sua terapia depois de terem realizado o recapeamento do quadril, voltaram a ter níveis de funcionalidade mais elevados e ficaram mais satisfeitos após a sua cirurgia.

Marcador DR, Seyler TM, Bhave A, Zywiel MG, Mont MA.
J Orthop Surg Res. 2010 Mar 22;5:20.
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

Eficácia de uma intervenção de atividade física baseada na web em pacientes com osteoartrite do joelho e/ou do quadril: ensaio controlado randomizado.

Join2move (intervenção baseada na Web) resultou em mudanças na direção desejada para vários resultados primários e secundários. Dados os benefícios e o seu formato de autoajuda, Join2move poderia ser um componente no esforço de melhorar a AP em sedentário pacientes com joelho e/ou OA do quadril.

Bossen D1, Veenhof C, Van Beek KE, Spreeuwenberg PM, Dekker J, De Bakker DH.
Instituto Holandês de Pesquisa em Serviços de Saúde (NIVEL), Utrecht, Países Baixos
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

Eficácia da fisioterapia manual e do exercício na osteoartrose do joelho. Um ensaio randomizado e controlado.

Uma combinação de fisioterapia manual e exercício supervisionado produz benefícios funcionais para pacientes com osteoartrose do joelho e pode atrasar ou prevenir a necessidade de intervenção cirúrgica.

Deyle GD, Henderson NE, Matekel RL, Ryder MG, Garber MB, Allison SC.
Ann Interna Med. 2000 Fev 1;132(3):173-81.
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

Efeito de um Programa de Exercício Doméstico na Recuperação Funcional seguindo a Reabilitação pós Fratura do quadril.

Importância. Para muitos idosos, as limitações funcionais a longo prazo persistem após uma fratura de quadril. A eficácia de um programa de exercícios domiciliares com supervisão mínima após o fim da reabilitação formal da fratura de quadril não foi estabelecida.

Objetivo Determinar se um programa de exercício em casa com o mínimo de contato com um fisioterapeuta melhorou a função após a reabilitação formal da fratura do quadril.

Delineamento, procedimentos e participantes Ensaio clínico randomizado realizado de Setembro de 2008 a Outubro de 2012 nas casas de 232 adultos idosos com limitações funcionais que tinham completado a reabilitação tradicional após uma fratura de quadril.

Intervenções O grupo de intervenção (n = 120) recebeu exercícios de orientação funcional (tais como levantar-se de uma cadeira, subir um degrau) ensinados por um fisioterapeuta e realizados independentemente pelos participantes nas suas casas durante 6 meses. O grupo de controle da atenção (n = 112) recebeu educação nutricional cardiovascular em casa e por telefone.

Principais Resultados e Medidas Função física avaliada na linha de base, 6 meses (isto é, no final da intervenção), e 9 meses por avaliadores cegos. O resultado principal foi a alteração da função aos 6 meses medida pela Bateria de Desempenho Físico Curto (SPPB; intervalo 0-12, pontuação mais alta indica melhor função) e a Medida de Atividade para a Mobilidade e Atividade Diária de Cuidados Pós-agudos (AM-PAC) (intervalo, 23-85 e 9-101, pontuação mais alta indica melhor função).

Results  Among the 232 randomized patients, 195 were followed up at 6 months and included in the primary analysis. The intervention group (n=100) showed significant improvement relative to the control group (n=95) in functional mobility (mean SPPB scores for intervention group: 6.2 [SD, 2.7] at baseline, 7.2 [SD, 3] at 6 months; control group: 6.0 [SD, 2.8] at baseline, 6.2 [SD, 3] at 6 months; and between-group differences: 0.8 [95% CI, 0.4 to 1.2], P < .001; mean AM-PAC mobility scores for intervention group: 56.2 [SD, 7.3] at baseline, 58.1 [SD, 7.9] at 6 months; control group: 56 [SD, 7.1] at baseline, 56.6 [SD, 8.1] at 6 months; and between-group difference, 1.3 [95% CI, 0.2 to 2.4], P = .03; and mean AM-PAC daily activity scores for intervention group: 57.4 [SD, 13.7] at baseline, 61.3 [SD, 15.7] at 6 months; control group: 58.2 [SD, 15.2] at baseline, 58.6 [SD, 15.3] at 6 months; and between-group difference, 3.5 [95% CI, 0.9 to 6.0], P = .03). In multiple imputation analyses, between-group differences remained significant for SPPB and AM-PAC daily activity, but not for mobility. Significant between-group differences persisted at 9 months for all functional measures with and without imputation.

Conclusões e Relevância Entre os pacientes que tinham completado a reabilitação padrão após fratura do quadril, a utilização de um programa de exercício físico orientado funcionalmente baseado em casa resultou na melhoria modesta da função física aos 6 meses após a randomização. A importância clínica destes resultados ainda está por ser determinada.

Registro do Trial  clinicaltrials.gov Identifier: NCT00592813

Nancy K. Latham, Bette Ann Harris, et al.
JAMA, 2014; 311 (7): 700 DOI: 10.1001/jama.2014.469
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

Efeitos de um programa domiciliar na força, velocidade de marcha, e função após a substituição total do quadril.

O programa domiciliar concebido foi eficaz para melhorar a força muscular do quadril, a velocidade de marcha, e a função em pacientes depois do programa pelo menos 3 vezes por semana, mas a aderência a este programa domiciliar pode ser um problema.

Jan MH, Hung JY, Lin JC, Wang SF, Liu TK, Tang PF.
J Orthop Surg Res. 2010 Mar 22;5:20.
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

Efeitos de instruções ao vivo, gravadas em vídeo, ou escritas na aprendizagem de um programa de exercícios membros superiores.

A apresentação ao vivo e gravada em vídeo é mais eficaz do que um panfleto de apoio apenas para alcançar a precisão no desempenho de um programa de exercícios básico, medido por testes de retenção imediatos e retardados.

Reo JA, Mercer VS.
Physical Therapy 2004; 84:622-33
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

Avaliação da adesão do paciente, impacto na qualidade de vida e custo-eficácia de um programa de reabilitação baseado em exercícios de "test in-train out" para pacientes com claudicação intermitente.

Um programa de Test-in/Train-out proporcionou uma adesão favorável do paciente, impacto na qualidade de vida e relação custo-efitividade em pacientes com IC.

Malagoni AM, Vagnoni E, Felisatti M, Mandini S, Heidari M, Mascoli F, Basaglia N, Manfredini R, Zamboni P, Manfredini F.
Circ J. 2011;75(9):2128-34. Epub 2011 Jun 28.
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

O exercício em combinação com a educação tem possibilidades de prevenir o risco de dores lombares

Os resultados desta revisão sistemática e meta-análise dos ECRs indicam que o exercício em combinação com a educação é susceptível de reduzir o risco de LBP e que o exercício sozinho pode reduzir o risco de um episódio de LBP e de baixa por doença devido a LBP, pelo menos a curto prazo. As provas disponíveis sugerem que só a educação, os cintos traseiros, as palmilhas dos sapatos e a ergonomia não pré-abastecem a LBP. É incerto se a educação, a formação, ou os ajustamentos ergo- nómicos impedem as licenças por doença devido a LBP, porque a qualidade das provas é muito baixa.

Daniel Steffens, PhD; Chris G. Maher, PhD; Leani S. M. Pereira, PhD; Matthew L Stevens, MScMed (Clin Epi); Vinicius C. Oliveira, PhD; Meredith Chapple, BPhty; Luci F. Teixeira-Salmela, Professor Doutor; Mark J. Hancock, Professor Doutor
Prevenção de dores lombares. Uma Revisão Sistemática e Meta-análise
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

Intervenções para melhorar a aderência ao exercício para dores musculoesqueléticas crônicas em adultos.

Intervenções tais como terapia de exercício supervisionado ou individualizado e técnicas de autogestão podem melhorar a aderência ao exercício. No entanto, são necessárias experiências de alta qualidade, aleatorizadas com acompanhamento a longo prazo que abordem explicitamente a aderência aos exercícios e à atividade física. Uma medida padrão validada de aderência ao exercício deve ser utilizada de forma consistente em estudos futuros.

Jordan JL1, Holden MA, Mason EE, Foster NE.
1Arthritis Research Campaign National Primary Care Centre Primary Care Sciences, Keele University, Keele, Staffordshire, UK, ST5 5BG.
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

Rigidez do joelho após reconstrução do ligamento cruzado anterior: a incidência e fatores associados com a rigidez do joelho após a reconstrução do ligamento cruzado anterior.

We reviewed 100 patients retrospectively following primary ACL reconstruction with quadruple hamstring autografts to evaluate the incidence and factors associated with postoperative stiffness. Stiffness was defined as any loss of motion using the contra-lateral leg as a control. The median delay between injury and operation was 15 months. The incidence of stiffness was 12% at 6 months post-reconstruction. Both incomplete attendance at physiotherapy (p<0.005) and previous knee surgery (p<0.005) were the strongest predictors of the stiffness....

(You can also check https://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S0968016008002469)

Robertson GA, Coleman SG, Keating JF.
Knee. 2009 Ago;16(4):245-7. Epub 2009 Jan 31.
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

"pacientes são susceptíveis de ser mais complacentes se forem financeiramente investidos na sua recuperação".

Em economia comportamental, o efeito de dotação (também conhecido como aversão ao desinvestimento) é a hipótese de as pessoas atribuírem mais valor às coisas apenas porque as possuem. Isto é ilustrado pelo fato de que as pessoas pagarão mais para reter algo que possuem do que para obter algo que é propriedade de outra pessoa - mesmo quando não há motivo para a penhora, ou mesmo se o item só foi obtido há minutos atrás.

Efeito de endowment
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

Satisfação de pacientes com os serviços de cuidados de saúde e percepção com a reabilitação em casa por telereabilitação e satisfação dos fisioterapeutas em relação à tecnologia pós artroplastia: um estudo integrado num ensaio randomizado.

Uma vez que a satisfação do paciente é importante para manter a motivação e o cumprimento do tratamento e a satisfação dos profissionais de saúde deve ser elevada para que os novos tratamentos se tornem comuns nas clínicas, os resultados mostram que a reabilitação em casa parece ser uma alternativa promissora aos tratamentos presenciais tradicionais.

Tousignant M, Boissy P, Moffet H, Corriveau H, Cabana F, Marquês F, Simard J.
Telemed J E Health. 2011 Jun;17(5):376-82. Epub 2011 Apr 14.
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

O vídeo de instrução de fisioterapia pode ser tão bom quanto uma visita presencial para exercícios de reabilitação do ombro

Introdução e Finalidade

O desempenho preciso dos exercícios de fisioterapia pode ser difícil. Neste clima de cuidados de saúde em evolução, é importante procurar continuamente melhores métodos para educar os pacientes . A utilização de folhetos, demonstrações presenciais, e instruções em vídeo são todas vias potenciais utilizadas para ensinar a forma adequada de exercício. O objetivo deste estudo foi examinar se um vídeo de erro corrigido (CEV) seria tão eficaz como uma única visita com um fisioterapeuta (PT) para ensinar os sujeitos saudáveis a realizar corretamente quatro exercícios diferentes de reabilitação do ombro.

Delineamento do estudo

Este foi um ensaio clínico intervencional prospectivo cegado.

Métodos

Cinquenta e oito sujeitos sem queixas de dor no ombro foram recrutados em duas instituições e randomizados em dois grupos: grupo CEV (30 sujeitos) foi dado um CEV composto por quatro exercícios de ombro, enquanto o grupo de fisioterapia (28 sujeitos) teve uma sessão com um PT, bem como uma folha de apoio sobre como completar os exercícios. Cada sujeito praticou os exercícios durante uma semana e foi depois filmado a realizá-los durante uma visita de retorno. Os vídeos foram pontuados com a ferramenta de avaliação do exame ao ombro (SEAT) criada pelos autores.

Resultados

Não houve diferença entre os grupos na pontuação total SEAT (13.66 ± 0.29 vs 13.46 ± 0.30 para CEV vs PT, p = 0.64, 95% CI [-0.06, 0.037]). As pontuações médias dos exercícios individuais também não mostraram diferença significativa.

Conclusão/ Relevância clínica

Estes resultados demonstram que o Valor estimado atual barato e acessível é tão benéfico como a instrução direta no ensino de disciplinas para a correta realização de exercícios de reabilitação do ombro.

Nível de Evidência

1b

David J. Berkoff, médico de medicina desportiva e professor associado de ortopedia na Universidade da Carolina do Norte, Chapel Hill (EUA)
American Medical Society for Sports Medicine
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

Exercícios de reabilitação fisioterapêuticos no ambulatório ou em casa melhoram a força, a velocidade da marcha e a cadência após substituição total eletiva do quadril: uma revisão sistemática

Os exercícios fisioterapêuticos de reabilitação parecem ser igualmente eficazes quer sejam realizados sem supervisão em casa ou supervisionados por um fisioterapeuta em regime de ambulatório.

Corinne L. Coulter, Jennie M. Scarvell, Teresa M. Neeman, Paul N. Smith
Associação Australiana de Fisioterapia
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

Programa de exercícios domiciliares de fisioterapia para hemofílicos.

Introdução: A fisioterapia regular pode melhorar a estabilidade e flexibilidade das articulações e diminuir o risco de hemorragia em pacientes com hemofilia. Para reduzir as consultas dos pacientes e fazer do exercício físico uma parte da vida diária, foi concebido um programa de exercício individualizado em casa (HEP). Retrospectivamente, o número de hemorragias durante o HEP foi comparado com o número de hemorragias anteriores.

Método: 8 pacientes com idades compreendidas entre os 4 e 16 anos com hemofilia A foram avaliados. No início e após 13 meses, os pacientes tiveram uma análise de movimento através de ultra-sons topográficos. De acordo com os resultados e descobertas clínicas, foi criada uma HEP individualizada. Foram concebidas pontuações padronizadas para a avaliação clínica e a avaliação dos exercícios com base no paciente. Em cada consulta, os exercícios foram ajustados individualmente.

Results: Patients exercised in median 1.7 times a week. No training related bleeds occurred. 7 of 8 patients showed reduced joint and/or muscle bleeds (p<0.02). Clinical scores raised slightly in every patient. However the second motion analysis of squat and gait showed a worsening in 7 of 8 patients (p>0.05).

Conclusão: Uma HEP pode ajudar a avançar na aptidão física e na coordenação e pode reduzir a tendência de sangramento, mas precisa de ser realizada regularmente. Pacientes estão interessados, mas a motivação para fazer exercício em casa é baixa. As perturbações medidas pela análise do movimento parecem não ser suficientemente influenciadas pelo nosso programa substituto de treino.

© Georg Thieme Verlag KG Stuttgart - Nova Iorque.

Pierstorff K, Seuer A, Weinspach S, Laws HJ.
Klin Padiatr. 2011 Maio;223(3):189-92. Epub 2011 Abr 21.
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

Fisioterapia domiciliar pré-operatória versus cuidados habituais para melhorar a saúde funcional de adultos mais velhos frágeis programada para artroplastia eletiva total do quadril: um ensaio piloto randomizado e controlado.

O treinamento intensivo pré-operatória em casa é viável para pacientes idosos frágeis à espera de Artroplastia Total de Quadril e produz alterações relevantes na saúde funcional. Um ensaio controlado multicêntrico randomizado está em curso para investigar a (custo)eficácia do treino pré-operatório.

Oosting E, Jans MP, Dronkers JJ, Naber RH, Dronkers-Landman CM, Appelman-de Vries SM, van Meeteren NL.
Arch Phys Med Rehabil. 2012 Abr;93(4):610-6. Epub 2012 Fev 24.
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

Suplementação de um programa de exercício em casa com um programa baseado na classe para pessoas com osteoartrite dos joelhos: um ensaio clínico randomizado controlado e uma análise econômica da saúde.

Com base nesta evidência, a suplementação de um programa de exercícios em casa com um programa de exercícios baseado em 8 semanas de aulas pode ser confiantemente esperada para produzir pequenas melhorias na função locomotora e reduções clinicamente importantes na dor. Recomenda-se que as pesquisas futuras investiguem métodos para aumentar a aderência aos programas de exercício em casa e avalie o impacto destas intervenções no contexto dos cuidados primários, onde a maioria pacientes com osteoartrose do joelho é administrada.

McCarthy CJ, Mills PM, Pullen R, Richardson G, Hawkins N, Roberts CR, Silman AJ, Oldham JA.
Health Technol Assess. 2004 Nov;8(46):iii-iv, 1-61.
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

Suplementação de um programa de exercício em casa com um programa baseado na classe para pessoas com osteoartrite dos joelhos: um ensaio clínico randomizado controlado e uma análise econômica da saúde.

Com base nesta evidência, a suplementação de um programa de exercícios em casa com um programa de exercícios baseado em 8 semanas de aulas pode ser confiantemente esperada para produzir pequenas melhorias na função locomotora e reduções clinicamente importantes na dor. Recomenda-se que as pesquisas futuras investiguem métodos para aumentar a aderência aos programas de exercício em casa e avalie o impacto destas intervenções no contexto dos cuidados primários, onde a maioria pacientes com osteoartrose do joelho é administrada.

McCarthy CJ, Mills PM, Pullen R, Richardson G, Hawkins N, Roberts CR, Silman AJ, Oldham JA.
Health Technol Assess. 2004 Nov;8(46):iii-iv, 1-61.
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

Treinamento de equilíbrio baseado com uso de Tablets para motivar e melhorar a aderência ao exercício em pessoas idosas que vivem independentemente: parte 2 de um ensaio exploratório pré-clínico de fase II.

Um programa de treino de equilíbrio de força baseado em tablets que permite monitorizar e ajudar os adultos mais velhos a viver autonomamente, enquanto o treino em casa foi mais eficaz na melhoria da marcha e do desempenho físico quando comparado com um programa baseado em prescrição em papel. As estratégias de motivação social ou individual foram igualmente eficazes. As diferenças mais proeminentes foram observadas entre participantes ativo e inativos. Estas descobertas sugerem que em adultos mais velhos uma intervenção baseada em tablets melhora a conformidade da formação; por conseguinte, é uma forma eficaz de melhorar a marcha.

van Het Reve E, Silveira P, Daniel F, Casati F, de Bruin ED.
1Instituto de Ciências do Movimento Humano e do Desporto, Departamento de Ciências e Tecnologia da Saúde, ETH Zurique, Zurique, Suíça
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

A influência da relação terapeuta-paciente no resultado do tratamento na reabilitação física: uma revisão sistemática.

A partir desta revisão, a aliança entre terapeuta e paciente parece ter um efeito positivo no resultado do tratamento em cenários de reabilitação física; contudo, é necessário mais investigações para determinar a força desta associação.

Hall AM, Ferreira PH, Maher CG, Latimer J, Ferreira ML.
Phys Ther. 2010 Aug;90(8):1099-110. Epub 2010 Jun 24.
Ver estudo (abrir em uma nova janela)

Instruções de vídeo versus ilustrações para influenciar a qualidade do desempenho, motivação e confiança na realização de exercícios simples e complexos em sujeitos saudáveis.

Os resultados sugeriram a modelação dinâmica através de videocassetes foi mais eficaz do que as ilustrações estáticas para promover a forma correta para os exercícios. Além disso, a modelagem por videocassete foi indicada como mais apropriada para encorajar a confiança e motivação num ambiente de exercícios não supervisionado, como um programa de exercícios domiciliares.

(veja também https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/09593980290058454)

Weeks, Brubaker, Byrt, Davis, Hamann & Reagan
Physiotherapy Theory and Practice, Volume 18, Número 2, 1 de Junho de 2002 , pp. 65-73(9).
Ver estudo (abrir em uma nova janela)